quinta-feira, 30 de junho de 2011

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Bactéria E. coli O104:H4

 O QUE PRECISA SABER SOBRE       
    Bactéria E. coli O104:H4
Olá Amigos:
Estes parvos da nossa comunicação social, estão fartos de falar na bactéria E. coli 0104:h4, mas ainda não disseram nada de esclarecedor sobre ela. nem se estão por fora ou se por dentro o assunto...
Aqui vai.

Perguntas e respostas: 

O que é preciso saber sobre a bactéria E. coli O104:H4 

Por Ana Gerschenfeld
Este tipo de bactéria Escherichia coli, conhecido como "bactéria dos hambúrgueres", causa periodicamente intoxicações alimentares graves. Para evitar o perigo, basta respeitar sempre - e não apenas agora, quando a realidade no-lo lembra - algumas regras simples de higiene.
São bactérias na sua grande maioria inofensivas e importantes para a saúde. Fazem parte da flora intestinal normal dos mamíferos, incluindo os seres humanos.
Quais são as precauções a ter em relação aos alimentos? 
Estas bactérias morrem a temperaturas superiores aos 70.ºC ou inferiores aos -20.ºC.
 As hortaliças cozidas durante uns dez minutos não apresentam perigo e, em princípio, os ultra-congelados também não.
Mesmo assim, é aconselhável cozer muito bem a carne picada.
Os legumes e verduras que vão ser consumidos crus devem ficar de molho em água com 4 a 5 gotas de lixívia por litro, antes de serem muito bem passados por água.
E as E. coli enterohemorrágicas (EHEC) como a que tem provocado o surto de infecções alimentares na Alemanha? 
São estirpes de E. coli que adquiriram a capacidade de fabricar uma toxina, a verocitotoxina ou shiga. A infecção do ser humano por uma bactéria deste tipo pode provocar gastroenterites agudas, com cólicas abdominais, diarreia com sangue, febre moderada e vómitos, requerendo uma hospitalização em 5 por cento dos casos. Nos doentes hospitalizados, pode evoluir para uma síndrome hemorrágica que se revela mortal em 3 a 5 por cento dos casos, chamada síndrome hemolítica-urémica ou SHU. 
O que é a síndrome hemolítica-urémica (SHU)? 
É a fase em que a infecção se espalha pelo organismo, causando estragos nos vasos sanguíneos - com especial afinidade pelos rins, onde os danos podem ser irreversíveis. A queda do número de plaquetas em circulação no sangue causa hemorragias. 
Qual é a origem destas bactérias tóxicas? 
A primeira estirpe foi identificada na carne picada nos anos 1980 nos EUA e designada por O157:H7. A bactéria responsável pelo actual surto de SHU na Alemanha é de uma estirpe muito próxima, O104:H4. Pensa-se que estas bactérias surgiram de uma combinação genética de E. coli normais com bactérias patogénicas (talvez shigella) devido à utilização de tecidos animais na alimentação industrial, nomeadamente bovina. Estas E. coli também costumam ser resistentes aos antibióticos, o que poderá ser devido ao tratamento dos animais com antibióticos. 
Qual é o habitat natural destas bactérias patogénicas? 
As estirpes patogénicas de E. coli vivem no intestino dos bovinos e suínos, animais a quem não causam doença. 
Quais são as principais vias de transmissão para os seres humanos? 
A infecção propaga-se sobretudo através da carne picada de vaca insuficientemente cozinhada, donde o nome de "bactéria dos hambúrgueres" por vezes dado a estas bactérias. No matadouro ou no talho, resíduos animais podem contaminar a carne e esta, ao ser picada, fica misturada com os produtos contaminados. Se não for bem cozinhada, a bactéria permanecerá viva no interior da carne. Algo que não acontece com os bifes, por exemplo, uma vez que a bactéria fica nesse caso à superfície da carne e é eliminada pelo calor da cozedura. Sem os devidos cuidados, as fezes das vacas contaminadas podem também fazer passar a bactéria para o leite, que é uma outra fonte de infecção humana quando consumido sem pasteurização. 
E a contaminação via os legumes? 
Não é a mais habitual, mas as hortaliças podem ser contaminadas por água de rega contaminada, por fertilizantes naturais ou por terem estado em contacto com fezes de animais contaminados em qualquer fase da sua produção, transporte, venda ou preparação. 
 Os sintomas da infecção são sempre agudos? 
Conforme os casos, podem passar despercebidos ou dar origem à panóplia de sintomas já acima referida. Na maior parte dos casos, a situação resolve-se passados uns dias (com ou sem hospitalização). 
A infecção é transmissível de uma pessoa para outra? 
Se uma pessoa estiver infectada sem o saber (seja porque ainda não manifestou a doença, o que pode demorar vários dias, seja porque tem uma forma assintomática), ela é susceptível, em caso de insuficiente higiene das suas mãos ao sair da casa de banho, de contaminar os alimentos ao manuseá-los. 
A infecção responde aos antibióticos?
 Para além destas bactérias serem resistentes a muitos antibióticos, um tal tratamento até pode fazer piorar a situação, ao matar as bactérias da flora intestinal que poderiam ajudar a controlar a proliferação das bactérias patogénicas.

terça-feira, 14 de junho de 2011

domingo, 5 de junho de 2011

ERROS NA COZINHA - MUITO IMPORTANTE!!!!


Para DONAS, DONOS de casa e/ou respectivas secretárias 



Erros na Cozinha 

1° erro:
Lavar as carnes debaixo da torneira.

Primeiro, você perde nutrientes.
A carne fica esbranquiçada.
Segundo: a contaminação que existe vai aumentar, porque aumenta a quantidade de água e as bactérias vão penetrar mais ainda.
A única carne que se lava é o peixe e só para tirar escamas e a barrigada.
==================================
2° erro:
Colocar detergente direto na esponja, o que leva ao exagero.

O detergente nunca deve ser colocado direto na esponja.
Vai ser muito difícil enxaguar todo esse detergente.
O resto de detergente que fica junto com os alimentos pode no futuro dar um problema para a sua saúde.
Para limpar sem exagero, você precisa apenas de oito (8) gotas de detergente em um litro de água.
==========================================
3° erro:
Usar tábua de carne de madeira.

Na tábua de madeira as bactérias ficam te aplaudindo!
Tábua tem que ser de plástico ou vidro.
==============================
4° erro:
Sobre guardar comida quente na geladeira.

Este é um dos um dos mitos mais difundidos entre as donas de casa...
Não há erro em guardar comida quente na geladeira.
O único problema é que vai aumentar um pouquinho o consumo de energia, mas não vai estragar a geladeira de modo algum.
Porém ...
========================================
5° erro:
Guardar comida quente na geladeira com o recipiente tampado.

O ar frio vai bater na tampa.
Vai demorar muito para resfriar e as bactérias vão adorar!
Então, coloque tudo destampado.
Depois de duas horas você pode fechar.
=========================================
6° erro:
Furar a lata de leite condensado e utilizá-la várias vezes.

As pessoas pegam a lata de leite condensado e fazem dois buraquinhos, um de cada lado.
Sai leite condensado por um lado mas, pelo outro, entra uma porção de bactérias.
Abra a lata inteira e passe o leite condensado para um recipiente que pode ser de plástico ou de vidro.
Sirva sempre com uma colher; depois tampe e guarde na geladeira.
=======================================
7° erro:
Ignorar as formigas.

Quando se fala em doce, a gente não pode esquecer as formigas.
Você provavelmente não se importaria se encontrasse uma formiguinha em cima do seu bolo, não é?
Doutor Bactéria:
E se fosse uma barata?
Marina Scherb, de 12 anos: Aí eu não como.
Doutor Bactéria: Se a gente pegar uma barata, matar essa barata, deixar no meio da cozinha, no dia seguinte, cadê a barata?
Marina: Sumiu.
Doutor Bactéria: Quem levou?
Marina: As formigas...
Doutor Bactéria: A mesma que estava em cima do bolo?
Marina: É, né?...
Doutor Bactéria:
As formigas são consideradas até maiores agentes transmissores de bactérias do que a própria barata.
Doce com formiga só pode ter um destino: a lata de lixo.
===========================================

8° erro:
Soprar velinhas do bolo de aniversário.

Este é um 
péssimo mau hábito.
Testes comprovam que o bolo fica contaminado por bactérias de saliva.
Essas bactérias produzem uma toxina que podem ocasionar
 aquelas intoxicações com 24 horas de vomito e mal-estar.Evite, também, deixar o bolo fora da geladeira.

Roberto Figueiredo é Biomédico e personifica o Dr. Bactéria




Combater velhos hábitos é preciso

Corrigir velhos hábitos pode ser muito mais difícil do que aprender - do começo - a forma correta de fazer as coisas. Mas quando o assunto é evitar a proliferação de bactérias, todos os cuidados são necessários. É preciso jogar no lixo muitos dos conhecimentos adquiridos ao longo da vida
para vencer as batalhas diárias contra aqueles seres minúsculos e tão prejudiciais à saúde.
Desde criança, aprendemos a colocar ovos na porta da geladeira, até porque os eletrodomésticos vêm de fábrica programados com essa função.
No entanto, é um erro dos mais graves, porque o balanço da porta e a pouca refrigeração favorecem a deterioração do produto e o ovo vira uma estufa para a criação das terríveis salmonelas, bactérias responsáveis por boa parte das intoxicações alimentares.

O professor Roberto Figueiredo, bioquímico especializado no combate às bactérias, conhecido nacionalmente como Dr... Bactéria, proferiu uma palestra e desmistificou a maioria dos maus hábitos das pessoas."Você lava carne?
Pois isso é muito errado, porque a água contribui para facilitar a entrada das bactérias", informou à platéia.
Para ilustrar as verdades que estava transmitindo para o público,Dr. Bactéria mostrou dados preocupantes..
Em todo o mundo, 1,5 milhão de crianças menores de cinco anos adoecem de diarréia por ano, o que gera três milhões de mortes, das quais 70% são causadas por manipulação errada de alimentos.
"Isso demonstra total ignorância frente às bactérias
novas".
O
bioquímico condena hábitos diários das donas-de-casa, como arear panela (não se deve lustrá-la por dentro, para não soltar a substância química), armazenar o frasco de vinagre fora da geladeira, usar lixeirinha de pia, usar pregadores de roupa para fechar saquinhos de alimentos, guardar pedaços de legumes ou de frutas na porta da geladeira e guardar cola na geladeira - "Não se pode armazenar alimentos com produtos químicos". 
Para se ver livre das bactérias, os cuidados com a pia devem ser redobrados.
A esponja de lavar louças deve ser lavada e desinfetada diariamente e Trocada
semanalmente.
Dr. Bactéria não falou sobre os possíveis riscos de contaminação
do tradicional pano de coar café, tão comum no Nordeste, e do pano de prato.
Mas levando em consideração tudo o que ele disse,mantê-los limpos é a melhor saída.

Professor Roberto apresenta verdadeiros desafios para o senso comum.
Segundo ele, deve-se consumir leite pasteurizado sempre, mas o líquido jamais deve ser fervido em casa.
O produto deve ser aquecido a 80 graus C no máximo (cerca de quatro minutos) para que as propriedades nutricionais sejam mantidas.
Outra "esquisitice" apresentada é com relação à forma de armazenar os alimentos recém-preparados. 


Sabe aquele gesto gentil da mamãe em guardar o pratinho do filho no forno?
Dr. Bactéria diz que isso é 
oferecer um prato de veneno.
"As pessoas passam mal porque comem comida contaminada, não estragada.
O risco é ainda maior porque o alimento não apresenta sinais de contaminação
e as pessoas comem mesmo". 

Ele explicou que os alimentos perecíveis devem ser mantidos fora da geladeira por no máximo duas horas.
Se ainda estiverem quentes, devem ser levados destampados para refrigeração para que o ar frio circule.
"Depois, podem ser tampados normalmente".

O produto quente não compromete o funcionamento do eletrodoméstico, só faz aumentar o consumo de energia.
"Mas eu prefiro pagar mais caro a conta do que pagar com minha saúde".
Enfim, são muitos cuidados que devemos tomar.
Alguns são quase impraticáveis, outro são mais fáceis. 

Mel não pode ser oferecido a crianças!

Ponto para:

- quem conseguir não colocar meio tomate, meia cebola, na porta da geladeira.
- quem não lava frutas e verduras quando chega da feira e sim duas horas depois de refrigeradas.
E mil pontos para quem não oferece mel para crianças com menos de um ano.

Mel?
Dr.. Bactéria avisou às mães que todo cuidado é pouco com esse rico alimento.
Segundo ele, 8% da produção de mel é contaminada por uma bactéria chamada clostridium botulino. Os seres humanos desenvolvem anticorpos de defesa contra os microorganismos, mas somente após um ano de idade. "Muitas crianças morrem de causas não explicadas e alguns desses óbitos podem ser atribuídos ao mel". 


Uma das críticas mais severas feitas pelo professor Roberto
 foi com relação a experimentar e soprar a comida dos bebês - que muita gente desavisada faz - e soprar velinhas de bolo de aniversário.
"O aniversariante sopra e depois a mamãe oferece um pratinho de bactérias para os convidados.
Aconselho a adoção daqueles bolos gelados, embrulhados em papel alumínio". 


As festas são ocasiões ideais para a proliferação de bactérias, porque os alimentos ficam expostos por tempo acima do considerado ideal. O bioquímico cita a maionese como uma das vilãs das intoxicações alimentares, principalmente as (maioneses) caseiras.
"O perigo é maior para os donos das festas, que só têm tempo de comer os quitutes no dia seguinte.E ainda acham que é gostoso".

 
Salmonela

Salmonelose é uma infecção causada pela bactéria chamada salmonela, que se desenvolve principalmente em 
alimentos crus. O risco de contraí-la em maionese caseira, portanto, é latente.
A maioria das pessoas infectadas por salmonela desenvolve diarréia, febre e cólica abdominal entre 12 e 72 horas depois da infecção. Salmonelose geralmente dura entre quatro e sete dias, sendo que a maioria das pessoas se recupera sem necessidade de tratamento.

Porém, em algumas pessoas, a diarréia pode ser tão forte que o paciente precisa ser 
hospitalizado.
A infecção por salmonela pode se espalhar dos intestinos para a corrente sanguínea, e daí para outras partes do corpo, podendo ser fatal caso a pessoa não seja tratada rapidamente com antibióticos.
Idosos, crianças e aqueles com sistema imunológico enfraquecido têm mais probabilidade de desenvolverem casos graves de salmonelose.



















--


JCarlos Carranca
jccarranca@gmail.com
www.sanzalando.blogspot.com
www.blogdangola.blogspot.com
www.blogsquefalamdeangola.blogspot.com/
www.sanzalando2.blogspot.com


Como tirar a Rolha

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Festival Silêncio

 
MUSICBOX RECOMENDA
FESTIVALAGENDAPARTICIPANTESAPOIOSSOBRE
 
 Festival Silencio 15 JUNHO . 22H . CINEMA SÃO JORGE 1Para abrir este Festival Silêncio, José Mário Branco e Camané, acompanhados por Carlos Bica, José Peixoto e Filipe Raposo, propõem uma incursão nesse mundo – ao mesmo tempo íntimo e universal – onde cada um de nós pode fixar as raízes da vida. Um jogo de tensões entre o silêncio e os sons, no espaço e no tempo cénicos, que é o apanágio da canção poética. Simples, profundo, nutritivo. 
 Destaque ESPECTÁCULO
LEE RANALDO
19 JUNHO . 22H . MUSICBOXLee Ranaldo, mais conhecido entre nós como guitarrista e vocalista dos Sonic Youth, traz ao Festival Silêncio um espectáculo de uma surpreendente e intensa actuação na qual mistura spoken word, música e imagem. Casado com a artista experimental Leah Singer, Ranaldo é dono de uma carreira multifacetada, dividida entre a música, a escrita e as artes visuais. É ainda produtor de várias bandas e foi incluído pela Rolling Stones na sua lista dos cem melhores guitarristas do mundo.
 
 
 Destaque ESPECTÁCULO
ARNALDO ANTUNES
18 JUNHO . 22H . CINEMA SÃO JORGE 1O espectáculo que Arnaldo Antunes traz ao festival, Dois Violões, retoma músicas desde o tempo dos Titãs, como “Eu não vou me adaptar”. Com 30 anos de uma carreira imparável, Arnaldo Antunes dispensa apresentações. A sua faceta de músico é apenas a mais mediática, com destaque para o seu papel como fundador dos míticos Titãs, assim como mais recentemente para a participação nos Tribalistas. Mas Arnaldo Antunes é também e ainda poeta, artista gráfico, homem do palco, uma personalidade carismática e de uma alegria contagiante.
 
 
 
 Destaque24 JUNHO . 22H
CINEMA SÃO JORGE 2
A actuação de Linton Kwesi Johnson é um dos momentos mais esperados do Festival Silêncio. Fundador da Dub Poetry, Linton é um poeta-activista de referência mundial.
 Destaque22 JUNHO . 19H30
CINEMA SÃO JORGE 3
A entrega do Grande Prémio de Literatura da Feira Internacional do Livro em Guadalajara é o ponto de partida para este documentário que revê a vida e obra de António Lobo Antunes.
 Destaque18 JUNHO . 18H
CINEMA SÃO JORGE 2
Considerado pelo New York Times como “candidato ao lugar” de “novo Borges”, o sérvio Zoran Živković é apresentado ao público português pelo poeta, jornalista e autor do blogue O Bibliotecário de Babel José Mário Silva.
 Destaque24 JUNHO . 19H30
CINEMA SÃO JORGE 2
Diferentes culturas, diferentes universos, uma paixão única: a palavra. Uma conversa moderada pelo jornalista José Mário Silva e que junta à mesma mesa Juva Batella e Richard Zimler
 
 
 Destaque24 JUNHO . 01H
MUSICBOX
Há várias histórias que se cruzam em palco e ganham uma vida única, feita de momentos especiais e de comunhões que transpiram verdade. A história de Grand Pianoramax (vencedor da primeira edição do prémio Piano Solo do prestigiado Montreux Jazz Festival) com Mike Ladd (personagem histórica do hip-hop norteamericano) é traçada por poucas aparições públicas, no entanto memoráveis.
 Destaque25 JUNHO . 22H
CINEMA SÃO JORGE 1
Grandes nomes da música portuguesa juntam-se para uma homenagem a Al Berto num espectáculo único e irrepetível, com Sérgio Godinho, JP Simões, João Peste, Rui Reininho, Noiserv e Miguel Borges.
 Destaque19 JUNHO . 19H30
CINEMA SÃO JORGE 2
Com a poesia em pano de fundo, Sérgio Godinho e J.P. Simões falam com a jornalista Paula Moura Pinheiro sobre escrever, musicar e dar voz à palavra.
 Destaque24 JUNHO . 22H
CINEMA SÃO JORGE 2
Adolfo Luxúria Canibal apresenta-nos "Estilhaços de Mário Cesariny" na companhia de António Rafael (piano e programações), Henrique Fernandes (contrabaixo) e Jorge Coelho (guitarra).
 
 
FESTIVALAGENDAPARTICIPANTESAPOIOSSOBRE