sábado, 31 de março de 2007

Governo prevê investimento colossal na água e energia eléctrica

O governo angolano vai nos próximos dois anos investir 500 milhões de dólares em programas de melhoramento do fornecimento de energia eléctrica e de abastecimento de água potável ao nível do país.

O facto foi revelado sexta-feira, na província do Bié, pelo ministro da energia e águas, Botelho de Vasconcelos, tendo frisado que o referido valor será investido no acabamento do projecto Kapanda (Malange), Hirdro-eléctrica da Chicapa (Lunda Sul) e em outros programas.
O governante disse ainda que a mesma fatia será também empregue na conclusão dos sistemas de abastecimento de água potável nas províncias de Luanda e Benguela, bem como na aquisição de grupos geradores para outras localidades do país.
Botelho de Vasconcelos sublinhou que a implementação do referido projecto visa reforçar e melhorar a capacidade de fornecimento de energia eléctrica e o abastecimento de água potável à população angolana.
O ministro da energia e águas encontra-se na província do Bié para uma visita de 24 horas destinada a inteirar-se do funcionamento do sector na região.
Logo após a sua chegada ao Kuito, Botelho de Vasconcelos deslocou-se ao município de Kamacupa (Ex-General Machado), a 82 quilómetros a leste capital biena, onde visitou a barragem montada sobre o rio Kunje e o sistema de captação de água potável.
Depois, o ministro deslocou-se ao município de Katabola (Ex-Nova Sintra), 50 quilómetros a leste do Kuito, onde procedeu a inauguração do sistema de captação, tratamento e distribuição de água potável.

sexta-feira, 30 de março de 2007

quinta-feira, 29 de março de 2007

Rede viária de Luanda será reabilitada em doze meses

As estradas de ligação entre Luanda e as províncias do Norte, Sul, Centro/Sul e Leste do país serão reabilitadas nos próximos doze meses, num investimento avaliado em 1 bilião de dólares, proveniente da linha de crédito do Brasil.

Integrada no Programa de Investimentos Públicos, a referida acção vai abranger as vias Viana/Calumbo, estrada do Golfe/Viana e Rua do Sanatório, a 4ª, 5ª e 6ª Avenidas do Cazenga. Beneficiarão ainda de reabilitação total a avenida Ngola Kiluanje (estrada da Cuca), via Boavista/Tunga Ngó/estrada de Catete, via expresso Luanda/Kifangondo, o troço Cacuaco/Viana, a estrada Viana/Kicuxi e a estrada Viana/Cambulombo (Benfica).

Reunido em Conselho de Ministros na sua terceira sessão ordinária do ano orientada pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, o Governo aprovou o Programa de reabilitação da rede viária de Luanda, com o propósito de “resolver problemas relacionados com o congestionamento do trânsito, dificuldades de acesso às áreas limítrofes, circulação regular de veículos e peões” bem como os problemas relacionados com a drenagem das águas da chuva.

Em função do referido programa, o Conselho de Ministros aprovou os contratos de empreitada por série de preços entre o Instituto de Estrada de Angola (INEA) e as empresas brasileiras Norberto Odebrecht, Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e EMSA, para a execução das referidas obras.

O programa integra ainda outros troços, cujos contratos de execução das obras foram já aprovados pelo Conselho de Ministros e compreende uma intervenção imediata com vista a criar vias alternativas ao tráfego urbano e peri-urbano na capital.

O projecto sobre a via expresso Luanda/Viana já tinha sido aprovado, tendo sido apenas aprovado o contrato ontem. A estrada circular entre Cacuaco/Viana/Cambulombo (Benfica) está igualmente em obras e ontem o INEA submeteu à aprovação do Governo a segunda fase do projecto, que compreende a pavimentação da mesma.

De acordo com o director-geral do INEA, Joaquim Sebastião, a recuperação das estradas Viana/Calumbo, Viana/Quiquxi e a duplicação da via entre o GAMEK/Shoprite, passando pelo Golfe, serão efectuadas em função dos investimentos que estão a ser feitos na zona industrial de Viana e no Projecto Zango.

Joaquim Sebastião anunciou que os trabalhos começam “imediatamente” e, em função disso, o INEA e o Governo Provincial de Luanda deverão coordenar esforços para se encontrarem alternativas para o trânsito na capital.

Na sessão de ontem, o Governo autorizou ainda a criação das Universidades Metodista de Angola, Óscar Ribas, Privada de Angola, Técnica de Angola e o Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais.

Estes estabelecimentos de ensino superior, de acordo com o comunicado à imprensa saído da terceira reunião ordinária do Conselho de Ministros, “irão contribuir para a formação de novos quadros nacionais, capacitar técnica e cientificamente os estudantes, por forma a satisfazer as necessidades do mercado nacional de trabalho, promover actividades de investigação científica e o progresso do conhecimento nos domínios social, económico, tecnológico, etc.”.


Santos Vilola in Jornal de Angola

quarta-feira, 28 de março de 2007

SISTEC distinguida como melhor na região

A empresa angolana Sistec, representante da conceituada da marca de computadores da International Business Machines (IBM), foi recentemente premiada pela direcção daquela firma americana, como o melhor parceiro de negócios a nível da região da África Austral.
A premiação aconteceu na gala anual da IBM, que este ano decorreu no magnífico Centro de Convenções de Sandton, na cidade de Joanesburgo, na África do Sul, onde esteve presente o presidente do Conselho de Administração da Sistec, Rui Santos a quem foi entregue o certificado de reconhecimento.
De acordo com fonte da empresa, o reconhecimento é fruto do grau de penetração dos produtos da IBM no mercado de Angola, bem como reflexo do investimento da Sistec em capital humano no desenvolvimento de competências técnicas, tendo em vista assegurar e garantir melhor
qualidade de serviços ao mercado.
Destacar-se no meio de outros parceiros da IBM a nível de países africanos como África do Sul, Moçambique, Malawi, Quénia, Botswana, Zimbabwe, Namíbia, República Democrática do Congo, Zâmbia, Serra Leoa entre outros, foi motivo de grande satisfação para a administração e o colectivo de trabalhadores da Sistec.
Para a fonte, essa premiação, além de prestigiar a forma como a empresa tem conduzido os seus negócios, vem aumentar a sua responsabilidade não só no campo económico como também social.
A Sistec tem vindo a destacar-se nos negócios com a IBM ao nível da região nos últimos seis anos.
A Sistec está no mercado nacional há 15 anos e possui 300 trabalhadores, 99% dos quais angolanos, espalhados em diversas regiões do país como Cabinda, Sumbe, Benguela, Lobito, Huambo, Lubango e Namibe.
A empresa actua sobretudo nas áreas de actuação como informática, sistemas de telecomunicações, equipamento de escritório e doméstico, bem como áudio e vídeo.
in Jornal de Angola

terça-feira, 27 de março de 2007

De Benguela ao Lubango

Muita produção sem mercado

A indústria de conservas de carne e frutas Sulana, localizada na Huíla, tem imensas dificuldades em comercializar os seus produtos, por dificuldades no escoamento.
Os responsáveis da fábrica deram a conhecer o facto no fim-de-semana, à delegação da Direcção Nacional da Agro-Indústria que se deslocou àquela região do país.
No encontro que mantiveram com o director nacional da Agro-Indústria, Pedro Katendi, os gestores apelaram as autoridades afins (ministérios da Indústria e do Comércio) a trabalharem no sentido de criar entrosamento entre os sectores, para facilitar a venda dos produtos.
A delegação da Direcção Nacional da Agro-Indústria do Ministério da Indústria, visitou a província da Huíla, no âmbito do relançamento do sector agro-industrial do país, e visou fazer um levantamento do potencial agrícola e pecuário existente na província, para eventual selecção dos produtos prioritários na dieta alimentar da população.
A visita dos responsáveis da Dinai teve também como propósito efectuar o levantamento da situação actual das unidades agro-industriais existentes na província e a identificação de novos projectos do sector agro-industrial e seus eventuais promotores.
Na cidade do Lubango, os membros da delegação visitaram a fábrica de conservas de carne e frutas "Sulana", a Emabol e a moagem Saidy Mingas, enquanto no município da Humpata inteiraram-se do funcionamento dos complexos agro-industriais "A Nossa Terra" e FBM (onde são produzidas as águas, carnes e lacticínios da Chela).
Na Chibia, visitaram o canal de irrigação da barragem das Ganjelas e o perímetro piloto de irrigação com 450 hectares, que está sendo preparado pela Empresa de Mecanização Agrícola (Mecanagro).
Na Matala, visitaram a moagem e fábrica de rações Cimor, enquanto que na comuna de Capelongo visitaram o canal de irrigação e o perímetro irrigável, sob gestão da Sodmat, do Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural.
A delegação concluiu existir um grande potencial agrícola e pecuário muito forte, facto que poderá vir a colmatar as insuficiências de consumo interno.

segunda-feira, 26 de março de 2007

Belas Shopping é inaugurado amanhã

O primeiro centro comercial de Angola, o Belas Shopping, é inaugurado amanhã em cerimónia concorrida que deverá contar com a presença de várias figuras políticas, sociais e do mundo económico.
Trata-se de um empreendimento comercial de grande envergadura na zona de Talatona, a Sul de Luanda, que trará muitas novidades na actividade comercial em Angola. O Belas Shopping nasce sob a luz do terceiro milénio e o signo da modernidade, graças a um investimento total na ordem de US$ 35 milhões. O Belas Shopping tem como investidores a HO Gestão de Investimentos - HOGI, empresa angolana com 70% de participação, e a Odebrecht Angola, que além de ser a construtora do empreendimento detém 30% do negócio.
O Belas Shopping marca a chegada a Angola da indústria de shopping center. Um shopping center é muito mais do que apenas um centro comercial. É um local de convivência, de troca de experiências e de encontros. Satisfaz todas as necessidades dos consumidores num só lugar, com entretenimento e lazer, diversas opções de consumo e alimentação. Um espaço com conforto, comodidade e segurança. O empreendimento está implantado numa área de 119.418,47 m², no bairro de Talatona, na zona Sul de Luanda.
A Enashopp - cujo principal standard é a administração de shopping centers, dentre eles o Shopping Barra, no Estado da Bahia, no Brasil, é a responsável pelo planeamento, comercialização e implantação do shopping angolano e, após a sua inauguração, pela administração e operação do equipamento.
O sócio-director da Enashopp, Edison Rezende, afirma que o empreendimento terá 100 lojas, cadeia internacional de cinema com oito salas de projecção, moderno supermercado (Shoprite), parque de diversões e estacionamento para 800 veículos simultaneamente. O projecto arquitectónico é assinado pelos arquitectos baianos André Sá e Francisco Mota.
"Essa é a primeira incursão da Enashopp fora do Brasil. O nosso grande desafio foi desenvolver o projecto comercial de acordo com a necessidade da cidade e da população de Luanda", explicou Edison Rezende.
A materialização do projecto, três anos depois da sua concepção, resulta dos esforços do representante da HOGI, Décio Silva, e de André Portela, da Odebrecht Angola, que acompanharam a obra nos seus ínfimos detalhes. "A Organização Odebrecht actua no mercado angolano há mais de 20 anos e vem intensificando os seus investimentos no país por acreditar no seu potencial de desenvolvimento", sublinhou Portela.
A HOGI e a Odebrecht Angola acreditam plenamente que o nascimento do Belas Shopping favorecerá a cidade de Luanda, decorrente da instalação de um grande centro comercial, projectado com a previsão de cinco futuras expansões. "Na fase de construção, as obras empregaram 1.000 pessoas. Quando for inaugurado, amanhã, portanto, o Belas Shopping irá gerar, inicialmente, 950 empregos directos e 2 mil e 500 postos de trabalho indirectos", informou Décio Silva, da HOGI, feliz pelo facto de grande parte destes novos empregados serem jovens.
No plano urbanístico e arquitectónico, os investidores do projecto estão conscientes dos benefícios deste empreendimento na cidade de Luanda, particularmente nesta zona onde nascem novos projectos habitacionais, para além da inovação no âmbito da actividade comercial.
O Belas Shopping funcionará todos os dias no horário das 9-22 horas, havendo uma clara excepção para as salas de cinema e os restaurantes que terão uma maior flexibilidade.

quinta-feira, 22 de março de 2007

quarta-feira, 21 de março de 2007

Trienal realiza conferências internacionais

Um ciclo de conferências internacionais vai decorrer de 23 a 28 de Março, no espaço Soso Correios, na capital angolana, no quadro da Trienal de Luanda, que realiza actividades no domínio da arte, cultura, história e política contemporânea.
Segundo uma nota de imprensa da Trienal, o ciclo de conferências terá como prelectores o alemão Volker Albus e o camaronês Billi Bidjocka, que dissertarão, respectivamente, os temas "Design de interiores como arte contemporânea" e "Percurso artístico e pessoal".
Note-se que a organização inaugurou na semana passada, em Luanda, uma exposição colectiva intitulada "Arquitectura, política e design" que estará patente, no mesmo espaço, durante o mês em curso.
A exposição retrata as dimensões urbanísticas e arquitectónicas, desde a época colonial e pós-independência, registando marcas que evidenciam o presente, passado e o futuro da cidade de Luanda.
Ilustra igualmente uma visão pós-futurista que se poderá comprovar a olho nu nesta amostra que é já um dos sinais do encerramento da Trienal de Luanda, a 31 deste mês, lê-se no documento.
Em “ARQUITECTURA”- encontramos A Reorganização do caos;
Arquitectura em Angola com PROJECTOS ARQUITECTÓNICOS E URBANÍSTICOS de:
Arq. André Mingas - Projecto do Sambizanga
Ordem dos Arquitectos - Projectos de Arquitectura
Arq. André Mingas - Comissão de Estudos e Reordenamento da Cidade
Cristina Salvador e Fernando Bagulho Arquitectos com Alexandre Marques Pereira Arquitecto - Edifício GES - Escom Imobiliária SARL
Sobre Imagens da Cidade - Arquivo de Nelson Nascimento
Luanda Anos 40 - Obras de Carlos Ferreira
Centro de Arte Contemporânea - do Arq. André Mingas
Bairro Cidade - Estudo de Pós Graduação - de Ilídio Dalo, Pipola Gómes e Ximena Zamorano
Imagética Artística da Cidade - Chilala Moco, Claver, Ihosvanny, Kiluanji Kia Henda, Ndilo Mutima, Sérgio Afonso, Yonamine

Em “ POLÍTICA”- A Estética e Cultura da Política Contemporânea Africana.
A exposição pretende, a partir de uma leitura emocional profunda e poética das mutações - políticas, sociais e culturais - ocorridas nos últimos trinta anos, revelar o posicionamento de personagens políticas que nas suas trajectórias, demonstraram atitudes de generosidade, humanismo e de consciência planetária o que, consequentemente, contribuiu para a humanização das nações mundias na contemporaneidade. No espaço, serão expostas imagens fotográficas dos personagens, a poesia e os discursos filosóficos por eles produzidos.
E em “ DESIGN”- A Criação na Comunicação.
Uma Visão crítica dos publicitários sobre normas e conceitos que regem o trabalho criativo na publicidade, “ O Conflito CRIADOR CRIATURA ”.
Para além disso, vai decorrer um Ciclo de Conferencias Internacionais no espaço Soso-Correios, situado no edifício central dos Correios de Angola, com os seguintes temas e prelectores:
Dia 23 Março - Sexta – feira- às 17h00
Com o curador, autor e professor alemão Volker Albus - Design de Interiores como arte contemporânea
Dia 28 de Março -Quarta - feira - às 17h00
Com o artista camaronês Billi Bidjocka - Percurso artístico e pessoal

Desde já convidamos a acompanhar/visitar mais uma exposição, bem como solicitamos a divulgação e cobertura jornalística desse evento. A Trienal de Luanda é um movimento que pretende avaliar e projectar a arte angolana, funcionando como um termómetro sobre o exercício contemporâneo angolano reflectido através das artes e da cultura. Desde a sua abertura, já foram inauguradas 4 exposições colectivas, sendo a primeira sobre a Arte Lunda Cokwe, seguidas de Cosmos Dipanda Forever, Cosmos África Forever e Cosmos Mundo Forever. Este movimento artístico-cultural, o primeiro do género em Angola, tem como um dos objectivos tornar a cidade de Luanda, a médio prazo, num pólo de atracção de arte contemporânea africana a nível mundial, inserindo-a no circuito dos principais eventos internacionais de arte.

terça-feira, 20 de março de 2007

BAI lança hoje cartão Visa

O Banco Africano de Investimento (BAI) apresenta hoje, em Luanda, três produtos dos seus cartões de crédito da rede VISA em Angola, de acordo com uma nota de imprensa da instituição. O lançamento acontece depois de um processo sólido de negociação com a rede VISA que já, no segundo semestre de 2006, formalizou a adesão do BAI como membro principal autorizado a emitir e a aceitar os cartões de crédito utilizados internacionalmente. Ou seja, um cartão com um número de identificação atribuído pela VISA especificamente para um Banco Angolano. A autorização garante ao BAI absoluta independência em relação ao controlo da emissão e das transacções proporcionadas pela rede VISA em todo mundo.
Os cartões VISA do BAI surgem com três novos produtos (BAI Classic, Bai Gold e BAI Platinum), num lançamento que se realiza com a presença do governador do Banco Nacional de Angola. Amadeu Maurício vai testemunhar o acto que se reveste de particular significado nacional, por representar a internacionalização do Sistema de Pagamentos Angolano (SPA), num sinal claro do reconhecimento da estabilidade económica em Angola e da capacidade do BAI de se afirmar definitivamente como o primeiro Banco Angolano com dimensão internacional. Os novos cartões permitem que os clientes do BAI se juntem à maior rede mundial de pagamentos e garantem o acesso ao levantamento de moeda em mais de 1 milhão de caixas automáticos (ATMs) e a fazer compras em 150 países diferentes em cerca de 30 milhões de estabelecimentos.

segunda-feira, 19 de março de 2007

Palácio de Ferro será convertido em Museu

(imagem retirada de Duarte na Lunda )


Mário Cohen





O Palácio de Ferro, um património histórico e cultural de Angola, será transformado, futuramente, em Museu do Diamante, englobando um salão destinado a eventos, além de um espaço multiuso, garantiu ao JA, uma fonte do Endiama E.P.


Projectado por Gustave Eiffel e erguido no final do século XIX, o conhecido Palácio de Ferro, à baixa de Luanda, será reabilitado pela Empresa Nacional de Diamantes de Angola, Endiama E.P que, para o efeito, assinou, em Dezembro último, um contrato com a empreiteira Odebrecht para a realização da obra.


Um dos monumentos históricos culturais de Angola, o Palácio de Ferro será reabilitado num espaço de 14 meses, tendo as obras já iniciado no mês de Janeiro, com a vedação, completa, do quintal que circunda o mesmo.


A Odebrecht é uma empresa brasileira, parceira da Endiama E.P, em alguns projectos, destacando-se a Sociedade Mineira do Catoca.


Além das obras de restauração, também foram contratados os serviços de recuperação da área externa do Palácio, compreendo a execução de toda infra-estrutura básica, pavimentação, paisagismo e iluminação.E


ntretanto, sobre Gustave Eiffel, que nasceu a 15 de Dezembro de 1832 e morreu em Paris, no dia 28 do mês de Dezembro de 1923, ainda se pode dizer muito.


A partir de 1855, por exemplo, Eiffel ergueu numerosas construções de aço: em 1867 edificou o pavilhão da maquinaria da primeira Exposição Universal celebrada em Paris; em 1876, os primeiros grandes armazéns de aço e cristal, os Magasins au Bon Marché, também na capital francesa, e em 1882 a ponte Truyère em Garabit (França). No entanto, a sua construção mais famosa é, sem dúvida, a torre que leva o seu nome, com mais de 300 metros, construída no Campo de Marte em Paris. Eiffel desenhou esta torre para a Exposição Universal de 1889, e o seu objectivo era mostrar uma França novamente forte, após a guerra franco-alemã de 1870-1871. A torre de Gustave Eiffel transformou-se de imediato num símbolo da cidade. Eiffel construiu ainda as eclusas do canal do Panamá, bem como os alicerces sobre os quais se ergue a Estátua da Liberdade, em Nova Iorque.


No caso do Palácio de Ferro, não se conhece data exacta da sua construção e existem histórias desencontradas se Eiffel terá pretendido erguê-lo em Angola ou algures na Ásia.

Todos os links em um

http://www.1000-x-1000.com/

sexta-feira, 16 de março de 2007

Luta contra a cólera deve ter Plano de Emergência

Para combater a cólera é necessário que se elabore um plano de emergência, disse o chefe de departamento de Licenciamento e Fiscalização da Direcção Nacional de Águas, Kianu Vang.
Segundo o responsável, que falava após a abertura do seminário sobre “Plano de Contingências e Medidas de Prevenção da Cólera”, o referido projecto prevê as medidas de prevenção da doença, ser de âmbito multisectorial e devidamente coordenado. Kianu Vang indicou que o plano de contingência consiste em definir as actividades para combater a epidemia, bem como o orçamento necessário.
Kianu Vang acrescentou que uma das linhas de força deste Plano de Emergência será o aumento da oferta e a qualidade da água, visto que a falta de saneamento básico tem também sido a principal causa do aumento de casos de cólera no país.
Há cidadãos que dizem que o aumento da cólera provêm das águas por ser um reservatório de infecção, facto que não condiz com a verdade”, disse Kianu Vang, sustentando que o principal problema é o saneamento.
O seminário promovido pelo Ministério da Energia e Águas, através da Direcção Nacional de Águas em parceria com o Unicef tem como objectivo traçar uma estratégia comum para lidar com a epidemia, bem como medidas de prevenção e controlo. Nele participam representantes provinciais do referido Ministério e quadros do Unicef.
Walter António

quinta-feira, 15 de março de 2007

Angola e Portugal ...

... vão abordar reforço das relações bilaterais
A deslocação, brevemente, a Lisboa, do ministro angolano das Relações Exteriores, João Miranda, não se destina à abordagem da questão das cartas de condução, mas sim ao reforço das relações bilaterais, disse ontem, em Luanda, o governante.
Em declarações à imprensa, o ministro precisou que a sua visita a Portugal responde a um convite formulado, o ano passado, pelo seu homólogo luso, Luís Amado.
João Miranda garantiu que o objectivo maior da sua ida a Lisboa é abordar as relações bilaterais que, segundo realçou, são excelentes. Contudo, admitiu que, durante os encontros, previstos para a próxima semana, seja debatida a questão das cartas de condução, assunto que nos últimos dias tem vindo a apaixonar a opinião pública dos dois países.
Por outro lado, sobre a vinda a Angola do primeiro-ministro da Federação Russa, prevista para amanhã, o chefe da diplomacia angolana disse que se trata de uma visita de trabalho e de amizade, na sequência da efectuada em Novembro passado, pelo presidente José Eduardo dos Santos à Rússia. A agenda do governante russo será dominada pelas questões de cooperação bilateral, com destaque para os sectores da energia, finanças e petróleos.

terça-feira, 13 de março de 2007


O economista Alves da Rocha, disse esta segunda-feira em entrevista à Rádio Nacional de Angola (RNA), que os engarrafamentos em Luanda, devem ser considerados como um factor de constrangimentos a produtividade. Segundo ainda o economista, além de provocarem atrasos e absentismos, os engarrafamentos motivam o nervosismo, alterações de animo prejudiciais ao trabalho. O excesso de viaturas e a exiguidade das estradas, bem como a concentração dos angolanos em Luanda, formam no dizer de Alves da Rocha, a combinação responsável pelos engarrafamentos. «Diz-se que mensalmente entram na cidade de Luanda 10 mil viaturas importadas, as infra-estruturas urbanas que estavam projectadas para 500 mil ou 600 mil habitantes não estão capacitadas para aguentar tal situação», disse. O também professor universitário disse ainda que hoje ninguém sabe quantos habitantes é que tem Luanda tem. Para o economista, é importante que o Instituto Nacional de Estatística resolva o problema do senso populacional, porque é urgente saber-se quantos somos e onde estamos afinal. No que as dificuldades para o abastecimento de combustível, Alves da Rocha, disse que o mesmo também constitui um problema sério, considerando como bem vinda o recente anúncio da Sonangol para a construção de mais bombas em Luanda. «Nós temos poucas bombas na cidade, esta, uma boa iniciativa, porque isso pode acabar com as filas que se formam em várias bombas da capital».

segunda-feira, 12 de março de 2007

Polícia Nacional recolhe mais de 140 mil armas em Angola

Fonte: VOA - Editado por AD

O volume de armas fora do controlo das autoridades angolanas ainda é significativo. Ainda assim, as autoridades entendem ter razões para estarem satisfeitas com o seu programa de recolha de armas em execução desde 1999.
O director nacional de ordem pública, subcomissário Livua Mário, disse à Voz da América que de 1999 a 31 de Dezembro de 2006 foram recolhidas mais de 140 mil armas de todos os calibres.
De acordo com o subcomissário Livua Mário, só no mês de Janeiro passado foram entregues voluntariamente em todo o país 352 armas. Ainda assim, e embora o volume de armas recolhidas até agora seja auspicioso, não dá para aferir da distância que ainda falta percorrer. «Neste momento é difícil determinar o número de armas fora do controlo das forças armadas»
Os casos de maior sucesso são as províncias do Huambo, Benguela e do Bié. O programa de recolha de armas vai neste momento na primeira fase de sensibilização, seguindo-se a fase da entrega voluntária pelos cidadãos. Depois disso o Estado partirá para a recolha coerciva de armas. O único incentivo será a segurança pública. «Está fora de hipótese proceder-se à entrega de verbas, por conseguinte, o governo angolano não pensa em comprar armas aos cidadãos».
Se em relação aos incentivos a polícia não tem dúvidas, em relação à existência de grupos armados, questão frequentemente levantada pela oposição, também está tudo esclarecido. Livua Mário desaconselha qualquer alegação que não se refira à polícia ou às forças armadas. Nem a defesa civil pode ser apontada como um caso.
«Eu sei que oposição aventou isto, referindo-se particularmente à defesa civil. Há bem pouco tempo, a DF prestou esclarecimentos a UNITA sobre o programa de desarmamento, apresentando números altos. Por conseguinte, a DF já não existe como organização. De resto, ela foi desmantelada por orientação do Ministério da Defesa. Existe apenas um pequeno núcleo que se ocupa do processo de reintegração dos indivíduos que no passado pertenceram à defesa civil».

domingo, 11 de março de 2007

Presild “arrancou” no Sambizanga

NOTÍCIAS
O primeiro supermercado "Nosso Super", inserido no Programa de Reestruturação do Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Essenciais à População, foi inaugurado quinta-feira, em Luanda, pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos.
Com uma área bruta de três mil metros quadrados, o estabelecimento, situado na comuna do Ngola Kiluanje, município do Sambizanga, tem capacidade para atendimento de duas mil e 500 pessoas/dia e pode comercializar mil e 800 produtos com regularidade a preço justo.
O estabelecimento, que empregará 70 pessoas, faz parte de um conjunto de 31 supermercados da rede PRESILD, a serem construídos em todo o país, num investimento global de 202 milhões de dólares norte-americanos.
O PRESILD foi criado pelo Governo angolano com o objectivo de organizar e modernizar a actividade comercial em todo o território nacional, de forma a ampliar a oferta de produtos essenciais à população.
Numa primeira fase, Luanda terá mais três supermercados, desta feita nos municípios do Cazenga, Viana e Golfe.
O Programa de Reestruturação do Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Essenciais à População (PRESILD) prevê a implementação de novos valores e práticas no mercado, condizentes com a regra de livre iniciativa, principalmente com os pressupostos de respeito à legalidade e aos consumidores.
Para o feito, segundo apurou a Angop, está a ser criado um quadro jurídico e legal para o comércio em Angola, entre os quais se destaca a Lei de Concorrência e respectivo regulamento.
Um diploma sobre a organização e funcionamento de mercados abastecedores e outro relativo a instrumentos de pesos e medidas nas transacções comerciais serão igualmente criados.
Sabe-se também que, no quadro do desenvolvimento da nova rede comercial, deverão ser criadas lojas pedagógicas que funcionarão como escolas para a nova geração de empresários e trabalhadores.

sábado, 10 de março de 2007

Pensamento do dia...

Descobri que o melhor tratamento de beleza é a bebedeira! Quando estou com uns copos a mais, toda a gente me elogia: "Tás bonito, tás..."

sexta-feira, 9 de março de 2007

Outros sectores crescem 17,2 por cento

A economia não petrolífera cresceu 17,2 por cento no ano passado, suplantando em 3 por cento as previsões do Governo que apontavam para 14,1 por cento, de acordo com um estudo do Banco Português de Investimento (BPI) divulgado ontem. No sector petrolífero, verificou-se o inverso, tendo abrandado de 26 por cento para 21,2 por cento.
Os sectores da construção, diamantes, indústria transformadora e energia foram os mais dinâmicos da economia angolana em 2006, crescendo acima do sector petrolífero, o que tem maior peso no PIB do país.
O crescimento de 2006 continuou a ser principalmente sustentado pelo sector petrolífero, mas foi notória a evolução do não petrolífero, [alcançada] apesar da queda do produto da agricultura e silvicultura”, afirma o departamento de Estudos Económicos e Financeiros do BPI, em relatório divulgado ontem.
O português BPI controla o Banco Fomento, um dos principais bancos angolanos.O produto do sector de agricultura e silvicultura terá recuado 12,3 por cento, “devido ao tempo seco registado em algumas províncias”, adianta. Em relação à inflação, o BPI espera que “uma trajectória de queda nos próximos meses”, depois de um aumento no final do ano passado. A meta do Governo para a inflação - 10 por cento (atingiu 12%) - não foi alcançada em 2006, mas é exequível este ano, “assumindo a manutenção da estabilidade cambial”.
No ano passado, a economia angolana cresceu 19,5 por cento, um ligeiro abrandamento em relação a 2005, e este ano deverá acelerar para 31,2 por cento, de acordo com o Ministério das Finanças. O Banco Mundial prevê um crescimento de 30,2 por cento, graças a uma aceleração de 40,9 por cento no sector petrolífero, que deverá produzir 736,9 milhões de barris, mais 48 por cento do que no ano passado. Para o BPI, “o anúncio pela Chevron de investimentos de cerca de mil milhões de dólares no decurso do ano, em projectos ligados à pesquisa, exploração e produção de crude reforçam a confiança num futuro promissor para o sector petrolífero”. Esta petrolífera norte-americana deverá produzir perto de um milhão de barris diários a partir de 2010, mais 40 por cento do que a sua produção actual. Os resultados da Sonangol no ano passado, em torno de 85 mil milhões de kwanzas (1,06 mil milhões de dólares), foram “sensivelmente iguais aos registados em 2005, mas podem ser considerados muito positivos, tendo em conta o elevado volume de investimentos realizados”, adianta o relatório bimestral do BPI.
Em forte crescimento está também o sector diamantífero, apesar de ensombrado pelo mercado negro.
O aproveitamento do potencial do país está a ser posto em causa pela exploração ilegal de diamantes, o chamado garimpo ilegal, que está a atingir proporções preocupantes. Uma eventual solução passa por transformar os garimpeiros ilegais em trabalhadores artesanais que venderão as suas descobertas à Endiama”, concessionária estatal, escreve o BPI.
A concessionária prevê este ano iniciar prospecção nas províncias de Malanje, Kwanza-Sul, Bié, Huíla, Namibe, Cunene, Uíje e Moxico.

quinta-feira, 8 de março de 2007

Dia internacional da Mulher


As mulheres sempre estiveram presentes na minha vida. Desde criança que vivi rodeado delas. Minha mãe, minha irmã e minha avó materna. Em adulto com os casamentos e sem filhas.
Em cada uma das mulheres da minha vida eu poderia destacar muita coisa. Abnegação, amor, carinho, preocupação, sabedoria, humor, felicidade, força.
A estas mulheres juntarei as minhas amigas que para além de tudo o mais que lhes possa revelar, lembro-me da estoicidade com que me suportam, para além do carinho que sempre me demonstraram.
Para todas as mulheres um grande abraço amigo!

quarta-feira, 7 de março de 2007

Angola Telecom investe 5,68 biliões de kwanzas

António Eugénio
A empresa estatal de telecomunicações (Angola Telecom) vai investir 5 biliões 680 milhões de kwanzas (o equivalente a 71 milhões de dólares) no programa de expansão e modernização da rede metropolitana de Luanda, este ano. O plano, que beneficiará 70 mil clientes, foi apresentado ontem, em Luanda, pelo presidente do conselho de administração da empresa, João Avelino, para quem o projecto se baseia no uso de tecnologia com circuito de transmissão óptica, rede de fibras ópticas e equipamentos de fácil comunicação.
João Avelino explicou que o programa vai permitir implementar 40 mil 824 linhas convencionais, 17 mil 640 linhas ADSL banda larga (VOIP/internet) para novas localidades em crescimento, na capital do país.Os bairros de Boa Vista, Chicala, Samba, Luanda Sul, Benfica, Lar Patriota, Nova Vida, Gamek, Golfe I e II, Frescangol, Cazenga, Kicolo, Cacuaco, Viana III e Alameda são as localidades que beneficiarão do novo projecto.
A conclusão do projecto está aprazada para o mês de Dezembro de 2008.
A empresa vai ainda reactivar, este ano, todos os postos públicos em diversos pontos do país, visando desta forma facilitar a comunicação de todos os clientes que não têm serviços disponíveis.

terça-feira, 6 de março de 2007

Lojas rendem 182 milhões de kwanzas

Cento e oitenta e dois milhões, novecentos e cinco mil cento e sessenta e cinco kwanzas e quarenta cêntimos (Akz.182.905.165,40) é o valor arrecadado pelo Ministério do Comércio com o licenciamento de estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços mercantis, no período de 10 de Novembro de 2006 a 31 Janeiro do ano em curso.Os dados foram fornecidos ontem , em Luanda, pela Direcção Nacional do Comércio Interno (DNCI).De acordo a DNCI, o valor cobrado foi Depositado nos cofres do Estado para o Orçamento Geral do Estado (OGE), através do Documento de Arrecadação de Receitas (DARE).Sessenta e três milhões, 124 mil e 545 kwanzas (34,51 por cento do valor global) foram obtidos pela DNCI enquanto que 119 milhões e 780 mil e 620 e 40 cêntimos (65, 49 por cento) obtidos a nível das direcções provinciais do comércio.Actualmente, estão registados 36 mil e 379 superfícies comerciais no país. A par disso, a Inspecção Geral do Ministério do Comércio arrecadou 8 milhões e 800 mil kwanzas, resultantes das multas aplicadas no ano transacto, na província de Luanda.Das infracções cometidas, 657 têm a ver com a falta de fixação de preços de bens à venda, de cartão de sanidade, facturas, asseio e de má arrumação e conservação de produtos.“Tivemos uma actividade intensa em 2006. É assim que realizamos duas mil 362 visitas de inspecção à rede comercial grossista, retalhista e de prestação de serviços mercantis a nível de Luanda”, sublinhou o inspector geral do Ministério do Comércio, Ramiro Sacupina.O responsável afirmou que a desobediência ao ciclo normal de distribuição alimentar (grossista/retalhista//consumidor), contrafacção e uso de alvarás comerciais falsos e não averbados foram, entre outras, as causas das multas aplicadas.
Em entrevista à Angop, Ramiro Sacupina disse ainda que foram registadas 68 infracções relacionadas com operações de importação de mercadorias nos terminais portuários e aeroportuários, assim como a apreensão de seis licenças de importação. Informou também que foram realizadas visitas conjuntas com o Instituto de Normalização e Qualidade (Ianorq) do Ministério da Indústria, aos supermercados de Luanda, para aferição de pesos e medidas, isto é, de balanças e instrumentos similares.“Constatamos que algumas balanças não têm selos que comprovam a sua inspecção e aí actuamos no sentido de primeiro aconselhar e se houver reincidência aplicarmos as disposições legais”, disse.
Jornal de Angola 6-03-2007

segunda-feira, 5 de março de 2007

Foi ontem mas merece destaque

Em 4 de Março de 1869 nasceu em Coimbra Eugénio de Castro (m. em 17 Agosto de 1944)

Foi relembrado em
Nothingandall com o poema : A Laís
Ler ainda do mesmo autor:
Presságios
Tua frieza aumenta o meu desejo

domingo, 4 de março de 2007

De Kontraste

Exmos amigos,
Mais uma semana, a 4ª, e a vox continua com um espírito vivo e motivado. Espero que gostem das mudanças.
boa semana com a vossa vox
João Ferreira Dias
http://kontraste.wordpress.com
http://pocodosnegros.blogspot.com
http://vox-blogs.blogspot.com